25 filmes para você nunca mais falar mal do Cinema Brasileiro

Na segunda-feira passada (19), comemoramos o Dia do Cinema Brasileiro. Ironicamente, na mesma semana, eu fui obrigada – mais uma vez – a escutar pessoas sentenciando em alto e bom tom: “Não assisto filme brasileiro porque são todos ruins”. Gente, calma aí! Estamos em 2017, acho que já está na hora de aprendermos o quanto generalização faz mal, não é mesmo?

Nosso país realmente sofre um gigantesco atraso quando comparado à diversos outros países na questão da sétima arte, mas isso não significa, em momento algum, que nós não temos excelentes profissionais no ramo que já nos presentearam com excelentes filmes. Pensando nisso, coletei algumas dicas – do nosso TipTeam – fenomenais de títulos para você escolher e entender que temos sim do que nos orgulhar:

 

Abril despedaçado
Walter Salles, 2001

No sertão nordestino de 1910, Tonho vive com sua família cercado de dificuldades. Devido a um compromisso familiar, ele precisa vingar a morte de seu irmão mais velho, assassinado por uma família rival. O impasse acontece ao tempo em que o personagem de Rodrigo Santoro sabe que caso ele cumpra a missão, será perseguido e pode ter pouquíssimo tempo de vida. Angustiado pela proximidade de sua morte, Tonho questiona as tradições da sua região e a violência exacerbada.

 

Amarelo Manga
Cláudio Assis, 2002

O filme, cru e sujo, entrega personagens despidos de qualquer censura existente. No subúrbio de Recife, diferentes personalidades apresentam suas fraquezas e podridões na tela do espectador sem qualquer espécie de cerimônia. Verdadeiro, natural e chocante, Amarelo Manga não é recomendado para pessoas que possam se impressionar com imagens fortes.

 

Aquarius
Kleber Mendonça Filho, 2016

Divido em três capítulos, Aquarius conta a história da jornalista auto ditada Clara. Mãe de três filhos, Clara já venceu o câncer de mama e reside no Edifício Aquarius há mais de 30 anos. No local, ela criou seus filhos e sua família, possuindo um carinho muito grande pelo apartamento. Última moradora do prédio, Clara precisa lutar contra uma construtora que quer demolir o prédio histórico e erguer um novo condomínio.

Assalto ao Banco Central
Marcos Paulo, 2011

Baseado na história real do segundo maior assaltos a banco já realizado no mundo, Assalto ao Banco Central conta a história do crime idealizado por Barão que, aliado às pessoas certas, levou aproximadamente 164 milhões de reais diretamente do tesouro nacional. Para se ter uma ideia sobre a quantidade de dinheiro, o número foi aproximado através do peso das notas roubadas, que chegaram a pesar mais de três toneladas. Empilhadas, as notas poderiam alcançar a altura de pelo menos 33 metros.

 

Bicho de sete cabeças
Laís Bodanzky, 2000

Bicho de sete cabeças conta a história de Wilson e seu filho Neto, que carregam um relacionamento difícil, assim como em diversas outras famílias. A distância entre os dois aumenta constantemente com Sr. Wilson desprezando o universo de seu filho que, por sua vez, despreza o pai com todas as suas forças. A situação entre os dois chega ao ponto de enviar Neto para um manicômio, onde o jovem vai ter de aprender a lidar com um sistema devastador.

 

Boa sorte
Carolina Jabor, 2014

João é um adolescente com problemas de comportamento e depressão. Internado para tratamento, João conhece Judite, uma paciente soropositiva em fase terminal. Os dois, obviamente, se apaixonam e dão vida a um intenso romance que acaba ensinando uma nova forma de ver a vida para João, que passa a dedicar seus dias para dar sentido à vida de sua amada.

 

Carandiru
Hector Babenco, 2003

O horror de conviver com o presídio do Carandiru ainda é uma memória bastante abrangente na cabeça dos brasileiros. Suas revoltas e chacinas eram quase que rotineiras. O filme recebeu indicação à Palma de Ouro e é baseado no livro de Dráuzio Varella, Estação Carandiru, que conta a história de alguns presos conhecidos durante uma campanha de prevenção à AIDS dentro do presídio.

 

Central do Brasil
Walter Salles, 1998

Um dos – se não for o mais – títulos respeitados no Brasil e no mundo, Central do Brasil foi vencedor do Urso de Ouro em Berlim, além de receber duas indicações ao Oscar (Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Atriz). Fernanda Montenegro estrela esse drama que conta a história de uma mulher e um menino que seguem viagens após serem unidos pelo acaso.

 

Cidade de Deus
Fernando Meirelles, 2002

Indicado a quatro Oscars, Cidade de Deus provavelmente seja o filme brasileiro mais conhecido no mundo. Com uma filmagem que revolucionou a área e a aposta em um elenco amador, deu ao longa uma liberdade na trama e agilidade para contá-la que ainda não haviam sido documentadas nas nossas telas. A história dos dois garotos em um morro do Rio de Janeiro e seus destinos opostos: fotógrafo e chefe do tráfico.

 

2 Coelhos
Afonso Poyart, 2012

Encurralado entre a criminalidade e a corrupção do poder público, Edgar  está cansado dessa vida. Com planos de fazer justiça com as próprias mãos, ele executa um plano que pode colocar diversos criminosos corruptos em rota de colisão. Recheado de edições e jogo de câmeras ainda não vistos no nosso cinema, o longa merece a sua atenção.

 

Dona Flor e seus dois maridos
Bruno Barreto, 1976

Símbolo máximo da comédia nacional, Dona flor foi o filme brasileiro mais assistido de todos os tempos por mais de 30 anos, até ser ultrapasso por Tropa de Elite 2, apenas em 2010. O longa conta a história do romance de Jorge Amado e traz um elenco de peso com Sônia Braga, José Wilker e Mauro Mendonça em um triângulo amoroso.

 

Estômago
Marcos Jorge, 2007

Com uma trilha muito bem executada, enredo que prende e uma fotografia apaixonante, Estômago cativa por sua simplicidade, carisma do protagonista e desenvolvimento de trabalho que realmente prende o público. Raimundo Nonato vai para a cidade grande cheio de sonhos e grandes expectativas. Contratado como faxineiro de um bar, logo descobre seu talento na cozinha e populariza suas maravilhosas coxinhas. Anos depois, contratado por um restaurante italiano, o personagem de João Miguel se apaixona pela prostituta Iria.

 

Hoje eu quero voltar sozinho
Daniel Ribeiro, 2014

Indicado ao Oscar de 2015, Hoje eu quero voltar sozinho traz a história do romance adolescente carregado de temas polêmicos. A deficiência visual e a homossexualidade trazidas com naturalidade às nossas telas, desenhando uma história de amor doce, sincero e uma amizade com tonalidade nostálgica.

 

Nise: o coração da loucura
Roberto Berliner, 2015

Nise se passa em plena década de 50 e conta a história de uma psiquiatra contrária aos tratamentos convencionais e cruéis contra esquizofrenia e acaba isolada pela classe médica. Com muita luta, Nise assume o setor de terapia ocupacional, onde inicia uma nova forma de tratamento com seus pacientes através do amor e da arte.

 

O auto da compadecida
Guel Arraes, 2000

Sucesso de bilheteria, o longa apresenta uma trama que mescla filme e teatro sobre a obra de Ariano Suassuna, além de trazer Matheus Nachtergaele e Selton Mello como protagonistas. O auto da compadecida conta a história de dois nordestinos que vivem de pequenos golpes no sertão, até que se envolvem com um cangaceiro altamente perigoso.

 

O cheiro do ralo
Heitor Dhalia, 2006

Selton Mello dá vida ao proprietário de uma loja de penhores. Com o passar dos anos, ele passa a obter prazer frio e calculista sobre explorar seus clientes. O cheiro do ralo passa a incomodar Lourenço quando ele se vê forçado a se relacionar com uma das pessoas que julgava controlar, devido ao ralo de seu escritório passar a liberar odores bastante desagradáveis.

 

O lobo atrás da porta
Fernando Coimbra, 2013

Representando a nova geração de cineastas brasileiros, O lobo atrás da porta coloca o público em constante situação de tensão diante de personagens ambíguos e profundamente perturbados, que são suspeitos do sequestro de uma garotinha, além de ser baseado em uma história real.

 

O pagador de promessas
Anselmo Duarte, 1962

Único longa brasileiro a vencer o Palma de Ouro no Cannes até hoje, também indicado ao Oscar de Melhor filme estrangeiro, O pagador de promessas é uma adaptação da peça homônima de Dias Gomes. Leonardo Villar deu vida a Zé do Burro, um homem simples que faz uma promessa para salvar a vida de seu burro, mas enfrenta o impasse da Igreja Católica por ter feito-a em um terreiro de Candomblé.

 

Operações Especiais
Tomás Portella, 2015

Operações especiais conta a história de um grupo de policiais que é enviado a uma cidade carioca para combater o aumento da criminalidade. Entre os agentes designados, está Francis, uma jovem investigadora que precisa provar que seu valor mesmo sem experiência de campo. Em pouco tempo eles resolvem o problema e são aclamados pela comunidade, mas o rigor das novas leis começa a incomodar os moradores.

 

O som ao redor
Kleber Mendonça Filho, 2012

Grande ícone da “nova geração” dos nossos cineastas, Kebler Mendonça Filho construiu um suspense atual sobre uma história que envolve tradições de um passado colonial Pernambucano. O som ao redor conta sobre a instalação de uma empresa de segurança em um bairro de classe média.

 

Paraísos Artificiais
Marcos Prado, 2012

Érika é uma jovem DJ que, acompanhada de sua fiel amiga e parceira, Lara, vai à um festival de música eletrônica conhecido como Paraísos Arficiais. Lá elas acabam conhecendo Nando e vivenciam uma noite recheada de drogas, álcool e experiências que marcarão suas vidas pra sempre.

 

Que horas ela volta?
Anna Muylaerte, 2015

Que horas ela volta? conta a história da pernambucana Val que acaba se mudando pra São Paulo em busca de uma melhor qualidade de vida para sua filha Jéssica. Anos depois, a garota lhe telefona, dizendo que quer ir para a cidade prestar vestibular. Os chefes de Val recebem a menina de braços abertos, porém o seu comportamento complica as relações e a hierarquia da casa.

 

Tatuagem
Hilton Lacerda, 2013

Clécio Wanderley é líder do grupo de teatro Chão de Estrelas, que realiza shows repletos de ironias e muita nudez. A estrela principal da peça é Paulete, uma travesti com quem Clécio mantém um relacionamento. Paulete então recebe a visita de seu cunhado, o jovem militar Fininha. Encantado com o universo teatral, o militar logo é seduzido por Clécio e não demora para que eles deem de cara com um quente relacionamento que acaba colocando Fininha em dúvida: suas descobertas sexuais e a repressão existente em plena ditadura militar.

 

Tropa de Elite
José Padilha, 2007 e 2010

O primeiro filme já era fenômeno de bilheteria do país antes mesmo de sua estreia. Tropa de Elite elegeu Wagner Moura ao posto de celebridade internacional e conseguiu denunciar a violência nos morros do Rio de Janeiro sem abrir mão de um estilo narrativo mais preciso. Apesar de trazer o Urso de Ouro em Berlim, o filme só não obteve mais renda em sua bilheteria devido à pirataria.

Já a sequência, lançada em 2010, detém a maior bilheteria nacional da história e deve boa parte do seu sucesso pela repercussão do antecessor. Diferente do primeiro, este filme foca na luta entre policiais e políticos corruptos. A nova mensagem não agradou o público, assim como o governo carioca e a classe política.

 

Espero que esta listinha ajude o pessoal a, pelo menos, ter um repertório, ou pelo menos conhecer algo e possuir alguns argumentos antes de tentar sair por aí divagando de forma negativa a sétima arte tupiniquim. Espero que você tenha gostado e, se quiser, conta pra gente aí o que achou da nossa seleção.

Jôicy Franco
Social Media, 24 invernos.
Basicamente um desenho animado tentando sobreviver no mundo real.

Comments

comments

About the Author

Jôicy Franco
Jôicy Franco
Social Media, 24 invernos. Basicamente um desenho animado tentando sobreviver no mundo real.