45 minutos foram necessários para Ponte Preta e Corinthians abrirem vantagem na semifinal do Paulistão

Rodriguinho definiu a vitória do Corinthians diante do São Paulo no Morumbi (FOTO: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Para quem imaginava o equilíbrio sendo o protagonista nos jogos de ida das semifinais do Campeonato Paulista, o que se viu foi um passeio de duas equipes alvinegras. Misturando intensidade com controle de jogo, Ponte Preta e Corinthians saíram na frente rumo a uma vaga na final do torneio neste domingo (17). A Macaca, embalada após eliminar o atual campeão Santos, não tomou conhecimento do Palmeiras, enquanto o Timão teve calma para enrolar o São Paulo em casa.

Em Campinas, volume de jogo alvinegro marca triunfo da Ponte diante do Palmeiras

Nem o torcedor mais otimista imaginou uma atuação tão avassaladora dos pontepretanos diante do campeão brasileiro. Jogando com intensidade, a Macaca já tinha dois gols de vantagem com menos de dez minutos de partida. Logo aos 40 segundos de jogo, William Pottker apareceu como um verdadeiro centroavante e abriu o placar.
No entanto, mais do que isso, o camisa 9 alvinegro também teve seu momento de garçom, servindo Lucca, preciso na finalização para ampliar o placar quando o relógio marcava sete minutos do primeiro tempo. Completando a tarde perfeita para a Ponte – e trágica para os palmeirenses -, Jeferson aproveitou o escorregão de Zé Roberto dentro da área para marcar o terceiro gol e sacramentar a vitória, que poderia ter sido ainda maior se o árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza tivesse marcado pênalti de Fernando Prass em Pottker no fim do segundo tempo.
Agora, a Macaca pode perder por até dois gols de diferença que, mesmo assim, estará na final, feito que não acontece desde 2008, quando o alvinegro enfrentou o mesmo Palmeiras e terminou com o vice-campeonato. Para o time alviverde, a solução é esquecer a fraca atuação do domingo e trabalhar em busca de recuperação para o jogo de volta.

Jeferson comemora o gol que sacramentou a vitória da Ponte diante do Palmeiras (FOTO: Marcos Ribolli/Globoesporte.com)

No Morumbi, Corinthians é cirúrgico, envolve São Paulo e encaminha classificação

Foram os 45 minutos mais intensos da equipe de Fábio Carille em 2017. Novamente, o Corinthians não precisou ter a posse de bola para ser agressivo e conquistar mais uma vitória. Desde o início, o alvinegro não deu chances ao Tricolor de chegar ao ataque. A compactação defensiva mais uma vez foi a marca registrada do Timão no Morumbi.
Porém, mais do que a bela atuação na zaga, o torcedor alvinegro pode ficar esperançoso com relação a um fator. Preciso nos passes, o Corinthians foi bem no ataque, criou boas situações de gol e aproveitou as mais perigosas. Primeiro, – impedido – completou a triangulação chutando na saída de Renan Ribeiro. Depois, foi a vez de Rodriguinho, novamente marcando em mata-mata, finalizar de longe e colocar a bola no canto direito do goleiro.
No entanto, a derrota são-paulina teve um momento positivo. Em lance isolado, Rodrigo Caio pisou em Renan Ribeiro. O árbitro Luiz Flávio de Oliveira alegou falta do atacante corintiano e ainda deu cartão amarelo para o centroavante, acusando-o pelo pisão. No entanto, o zagueiro tricolor chamou a responsabilidade e admitiu culpa, pedindo a retirada do cartão e concretizando o momento mais honesto do final de semana no futebol paulista.
Agora, o São Paulo terá de fazer algo que não conseguiu na Arena Corinthians: vencer os donos da casa por dois gols de diferença.

Jô comemora o seu quarto gol em clássicos paulistas em 2017, o segundo diante do São Paulo (FOTO: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

André Bastos
André Bastos (ou Dezão), 22 anos. Formado em Jornalismo e amante de esportes. Ama tanto que vai comentar sobre eles. Dicas, dúvidas e críticas serão aceitas.

Comments

comments

About the Author

André Bastos
André Bastos
André Bastos (ou Dezão), 22 anos. Formado em Jornalismo e amante de esportes. Ama tanto que vai comentar sobre eles. Dicas, dúvidas e críticas serão aceitas.