Entre despedidas e recomeços

Eu costumo sempre dizer que “a vida tem dessas coisas”. Ora ela nos aproxima, ora distancia. Seja de pessoas, coisas ou momentos. O bom mesmo, apesar de todas as consequências, é viver todos os momentos como se eles fossem únicos – e são. Até porque como diz aquela canção que bem conhecemos, fundamental é mesmo o amor, é impossível ser feliz sozinho. E é. Vamos tratar com propriedade.

A gente se acostuma – e se acomoda – a pensar que do mesmo modo fácil como alguém entrou em nossas vidas, da mesma maneira vai sair. E então perdemos oportunidades de sermos felizes e de conhecermos alguém que talvez valha a pena. No final das contas, bem lá no fundo, a gente sabe que vale, só não queremos admitir. A gente vive mentindo pra gente mesmo. A gente vive querendo mostrar que é forte o suficiente e que nos bastamos. Balela.

Gente entra, gente sai, gente reaparece. E continuamos aqui, com medo, deixando nossa – talvez – felicidade passar diante dos nossos olhos pelo simples fato de: orgulho – ou medo, seja lá o que for.

Mas o destino ta aí. Ta aí para provar e bater bem na nossa cara a conta final de tudo isso. A gente paga por ela e muitas vezes o preço é alto. Pode ser em forma de arrependimento ou até mesmo saudade. Saudade daquilo que não se viveu por medo de tentar. Nem sempre vamos ter aquela chance de novo, mas novas virão. Com novas caras, novos desafios. Basta querermos, estarmos dispostos.

Entre tantas idas e vindas, nos perdemos dentro de nós na incansável busca de encontrar alguém que seja perfeito pra gente – mas nem ao menos somos pra nós mesmos.

Que se for saudade, que seja passageira.

Se for arrependimento, que passe.

Mas que se for pra voltar, que seja com toda força, afinal, nada acontece por acaso.

Que a gente aprenda a não deixar ir, a não deixar passar aquilo que está bem aqui, juntinho da gente, só esperando uma chance de mostrar que vai valer a pena.

Carol Datore

Jornalista de corpo e alma. Publicitária pelo destino. Palmeirense, virginiana e amante do bom e velho rock nacional.

Comments

comments

About the Author

Carol Datore
Carol Datore

Jornalista de corpo e alma. Publicitária pelo destino. Palmeirense, virginiana e amante do bom e velho rock nacional.