Ex-amor, gostaria que tu soubesses…

Tarde de sábado gostosa e tranquila, casa e mente limpas, tocando um sambinha para relaxar.

Não pensava em absolutamente nada relevante, muito menos triste, mas, de repente, começa tocar “ex-amor, gostaria que tu soubesses, o quanto que eu sofri, ao ter que me afastar de ti…”

Pra quê, me diz? Seu nome brilhou na minha cabeça com todos os holofotes possíveis! Lembrei de como fui feliz com você. Não posso responder por você se foi feliz também, mas arrisco o palpite que sim!

A gente se dava bem pra caramba, você sempre tão inteligente até nas piadas, e com um jeito seguro que me fazia derreter. Não vejo – quase – nenhuma atitude minha como imatura, mesmo no dia em que decidi pegar um ônibus e aparecer na sua cidade sem avisar, aquilo foi a demonstração do quanto eu estava louca por você.

Senti que estava te perdendo e tentei mudar o curso, mas não se pode lutar contra coisas que estão acima de nós, independente do que você acredita, não dá pra negar que existe uma força maior.

Nas notas do samba, passava um filme na minha cabeça, lembrei de tantos planos que fizemos em tão pouco tempo e acho que não realizamos nenhum. Eu ainda não os realizei, mas não desisti deles e nem de você, fui obrigada a aceitar, a “me afastar de ti”, e como eu sofri!

Quando a gente não tem um relacionamento sério oficial e ele acaba, parece que não somos permitidos a sofrer, você tem que estar sempre inteira, afinal “não era nada sério”. Que isso, rapaz? Só eu sei o buraco que ficou aqui quando você se foi. Eu continuei a sair, conhecer outras pessoas, outros abraços e beijos, mas confesso que por longos meses era em você que eu pensava, era a sua falta que eu sentia.

Não tive a sintonia que tivemos com mais ninguém, mas aceitei. Um dia acordei e pensei em outras coisas, a cada dia você ficava para trás, até que não estava mais ali. Hoje consigo ver tudo isso como uma pessoa adulta, consigo até conversar com você as vezes sobre filmes, músicas e como eu odiava as suas cócegas.

Hoje passou. Mas esse samba te trouxe aqui de novo, para deixar a minha tarde de sábado saudosa. Confesso que foi uma delícia, mas logo o samba acabou e eu não descuidei em te tirar da cabeça no mesmo momento; me conheço o suficiente para saber que basta um descuido e você volta – se fosse fisicamente, juro que não reclamaria.

“Não chorei!
Como um louco eu até sorri
Mas no fundo só eu sei
Das angústias que senti…”

 

Te lembra quem?

Caroline Carvalho
Estudante de letras, troco salgado por doce, tentando ser fitness, amo gatos, livros e Netflix. Canceriana.

Comments

comments

About the Author

Caroline Carvalho
Caroline Carvalho
Estudante de letras, troco salgado por doce, tentando ser fitness, amo gatos, livros e Netflix. Canceriana.