Games Of Thrones. Como explicar tamanho sucesso?

Pode conter spoilers

Games Of Thrones já se tornou a mais popular da história da HBO, deixando para trás “A Família Soprano”, com uma média de 18,4 milhões espectadores, levando em consideração todas plataformas de exibição. Isso sem levar em consideração as exibições feitas através de pirataria.

O sucesso da série é tamanho, que o Trailer da sexta temporada quebrou o recorde de visualizações para a HBO. Foram mais de 21 milhões de visualizações no YouTube e mais de 31 milhões pelo Facebook.

“The Winds of Winter”, o décimo e último capítulo da 6ª temporada de “Game of Thrones”, teve, no dia 26 de junho, 8,9 milhões de espectadores, um recorde para a principal série da “HBO” nos EUA.

Mas quais são os fatos que explicam esse sucesso?

Política.

obaamnotrono

GoT não é apenas sobre dragões, mortos vivos e outras criaturas típicas de histórias de fantasia. As relações entre famílias nobres dos setes reinos que compõem Westeros estão no centro da trama. Personagens mitológicos servem “apenas de apoio” como peças nesse jogo completo.

Mortes

Final feliz é algo que não pode se esperar em GoT. Ninguém está salvo. Segundo George R.R. Martin, “Há pessoas que acreditam num mundo em que os bons vencem. Eu não escrevo esse tipo de ficção.” Filmes e séries que o mocinho morre são bens comum, mas e quando o mocinho morre na primeira temporada? Igual acontece com Ned Stark. E depois disso, vários personagens centrais são tirados de cena ao decorrer da série, indiferentes se são heróis ou vilões, com mortes das maneiras mais banais possíveis.

Personagens Fortes

Ned Stark, Jon Snow, Tyrion Lannister, Daenerys Targaryen, Peter Baelish, Varys, Brienne até mesmo o Cão de Caça. Todos os personagens têm qualidades, defeitos e inseguranças que os tornam mais reais. GoT quebra os paradigmas de heróis superpoderosos, infalíveis e perfeitos. São personagens cativantes, com valores que identificamos para o bem ou para o mal.

Elenco

gothbo

Dinklage, vencedor do Emmy e de um Globo de Ouro por sua interpretação de Tyrion. Emilia Clarke (Daenerys Targaryen) e Diana Rigg (Olenna Tyrell) também já foram indicadas ao Emmy, além Jack Gleeson que recebeu muitos elogios por seu trabalho como o sádico rei Joffrey Baratheon. Isso é só para citar alguns desse elenco tão fantástico, que sustenta personagens tão fortes.

Cenário e efeitos especiais

Até aqui, seis temporadas, os dragões e outras criaturas fantásticas não são o principal da história (acredito que ainda serão), mas quando aparecem, sempre chamam a atenção.

Os efeitos especiais e cenários de Game Of Thrones são de uma sofisticação rara na TV. Para garantir uma boa ambientação para os diferentes reinos, a série é filmada em locações na Irlanda do Norte, Islândia, Malta, Marrocos e Croácia.

Sexo

GoT também sabe apelar para os nossos instintos mais primitivos com uma enorme quantidade de sangue e muito sexo. Em suas temporadas, nas cenas de sexo, também não há tabu que constranja os autores. Nossas noites de domingo já foram ilustradas com sexo selvagem, sexo entre duas pessoas do mesmo sexo, sexo casual, incesto, estupro… e até amor romântico.

Mas para não ficarmos com a opinião desse mero GoTmaníaco, que viu todas temporadas em apenas uma semana e agora não sabe mais o que fazer da vida, perguntamos para algumas pessoas para que possam tentar explicar o sucesso da série.

Ana Paula:

“Acho que o que torna a série tão famosa é que é uma história muito rica, tanto em personagens, quanto em desdobramentos. É imprevisível, você nunca consegue adivinhar o que se passa na cabeça do autor. As teorias são legais demais e o que torna isso possível é que realmente tudo é possível em Game Of Thrones. Nenhuma teoria é muito surreal para a história.”

Herick Zerunian:

“Com certeza a forma crua como a série expõe as interações, ambições e desejos do homem. Aliada a uma mega produção e o contexto de fantasia medieval, GoT não faz cerimônia tratando das emoções humanas, criando uma ligação com os personagens e suas aspirações.”

Christiano Mourão:

“Acho que tem vários elementos ali que contribuem juntos para esse sucesso. Um deles é que se trata de uma série sobre política e não sobre fantasia medieval como se poderia imaginar num primeiro momento. Some isso a personagens com personalidades ricas (no livro, onde eles têm até trejeitos e preferências, como o hábito da Arya de morder o lábio inferior quando está nervosa e o gosto da Sansa por bolo de limão, dá pra perceber melhor), uma narrativa excelente e o que eu considero o elemento chave disso tudo: a imprevisibilidade. Tem dois pontos chaves de imprevisibilidade logo no primeiro livro/primeira temporada: o Bran sendo empurrado do alto da torre e simplesmente a decapitação daquele que todo mundo imaginava que seria o grande herói da série. Ali o autor chega marcando o território e diz que qualquer coisa pode acontecer.”

Beatriz Lopes:
Eu ouço falar de Game of Thrones há muito, muito tempo. Anos… Mas sempre ouvi que eu não ia gostar porque tem muitas mortes, muitas cenas pesadas, porque eu me apegaria aos personagens e eles morreriam. Minha própria irmã dizia que eu não ia gostar.
Agora, em maio, conversei mais a fundo com um colega de faculdade sobre a série e ele me despertou a curiosidade, porque disse que a série tem mortes sim, tem cenas pesadas, mas não é por isso que deixa de ser bem feita., praticamente uma obra de arte. E que eu teria que assistir pra saber o que tem além dessas mortes. Ele ainda me disse que é impossível não viciar porque cada episódio tem um final diferente, chocante, que faz a gente querer ver logo o próximo episódio.
Aí foi onde eu, curiosa que sou, tomei coragem e fui assistir e, juro, fui como se fosse ver um filme de terror sanguinário. Estava esperando sangue.
Mas me deparei com um cenário incrível, atores incríveis, uma história muito bem bolada que faz a gente ficar pensando de onde o autor tirou essas ideias.
Claro, personagens que cativam a gente porque cada um tem uma personalidade ímpar e todos muito interessantes! No meu caso, virei fã da Daenerys Targaryen e da Arya Stark porque gosto muito de personagens que representam mulheres fortes, corajosas e de personalidade. E, realmente, a cada final de episódio, eu queria ver logo o próximo pra descobrir o que ia acontecer!
No primeiro dia acabei com a primeira temporada! Rs
Bom, eu estou na segunda temporada, no quarto episódio.
O novo Rei do Norte está se preparando pra atacar os Lanninster!
E sim, o episódio que saiu esse domingo, apesar de eu não ter visto, claro, me influenciou a querer chegar logo na sexta temporada, porque pelo que vi de spoiler, parece que teve uma batalha incrível e uma ascensão que ninguém esperava! Então estou ansiosa!
Basicamente o “vírus Game of Thrones” é esse… Faz você ficar preso na história devido à bravura, coragem, honra dos personagens, a forma que eles lutam pelo que querem. A ousadia do autor de fazer tragédias deixam o espectador desolado, assim como vitórias que mantém o espectador fã da série, de forma única! Os cenários muito bem feitos e a história minimamente bem feita também!”

Luciano Bahu:

Na verdade comecei assistir Game of Thrones antes mesmo de começar a ler os livros. Aliás, foi através do seriado que me interessei pelos livros. Achei o seriado interessante já em seus primeiros capítulos, embora tenha começado a assistir despretensiosamente nem imaginando que faria todo esse sucesso.
Geralmente acontece o contrário, leio algum livro e a partir do momento que acho o livro interessante – e esse livro se torna em filme ou seriado – eu acabo por acompanha-lo em sua série televisiva ou cinematográfica.
No caso de Game of Thrones foi o contrário. Desde os primeiros episódios da série percebi que ali existia algo diferente, uma mistura de ficção com história medieval. Acho que esse mix me fisgou. Sempre fui apaixonado por ficção e aventuras fantásticas, mas também por fatos históricos do passado humano. E toda essa química de sentimentos e comportamentos humanos como amor, ódio, paixão, vaidade, ciúme, crueldade, fidelidade, traição, ambição, ganância e, principalmente, violência – muito explorada na série – transformaram GoT num caldeirão altamente explosivo e bem-sucedido.
Acompanho a série televisiva desde os primeiros episódios e, confesso, sou um dos fãs que lamenta o final da sexta temporada, a qual considero, em seus episódios finais, como a temporada mais interessante até então.
O fato de o sexto livro da saga não ter sido publicado e a série ter se descolado do livro em sua sexta temporada pode ter contribuído para o sucesso ainda mais estrondoso da série em termos de audiência, justamente pela expectativa do público em saber qual seria o desenrolar da trama sem o parâmetro da leitura prévia da saga.
Em termos de fidelidade da série em relação aos livros, algumas passagens, de fato, estão diferentes, mas nada que comprometa a dinâmica da história. E até acho isso interessante, uma vez que, além de poder apreciar visualmente a saga na tela, ainda posso ter nos livros a possibilidade paralela do desenvolvimento da saga. E pra um fã de carteirinha das Crônicas do Gelo e Fogo como eu, isso é um grande privilégio pois, além de poder me deliciar como espectador, tenho o prazer da leitura dessa série viciante.
Não quero ser presunçoso, mas, pra mim, existem séries ruins, existem séries boas, existem séries ótimas e existe Game of Thrones, um divisor de águas na história da produção de séries da TV mundial.”

 

Tiago Pace

Publicitário, TI e cervejeiro. Uma das mentes ativas por trás de toda essa ideia.
Exatas de coração. Humanas pela razão. E quem um dia irá dizer que não existe razão nas coisas feitas pelo coração?
E já sabe, se organizar direitinho…

Comments

comments

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Tiago Pace

About Tiago Pace

Publicitário, TI e cervejeiro. Uma das mentes ativas por trás de toda essa ideia. Exatas de coração. Humanas pela razão. E quem um dia irá dizer que não existe razão nas coisas feitas pelo coração? E já sabe, se organizar direitinho...
View all posts by Tiago Pace →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.