GLOW – Glória, glitter e muita garra

A mais nova aposta do serviço de streaming chegou ao catálogo no último dia 23, e traz ao público o universo da Wrestling feminina, movimento muito presente durante a década de 80 nos EUA. O gênero, pouquíssimo explorado na televisão, é quase que artístico, uma vez que apresenta uma mesclagem entre o teatro e a luta profissional propriamente dita. A maioria dos combates já possui um resultado pré-determinado e conta uma história a respeito dos lutadores, o que explica as fantasias e o figurino espalhafatoso. Em geral, é uma apresentação com movimentos coreografados, tendo origem nos carnavais norte americanos do século XIX, como demonstrações de força.

GLOW narra a história de Ruth Wilder, uma atriz desempregada que é escalada para participar de um programa semanal sobre Luta Livre feminina. Além de sua ex melhor amiga Debbie Eagan, 13 outras mulheres das mais distintas personalidades passaram a conviver durante a gravação do show. Com uma linguagem simples e uma trama maravilhosamente nostálgica, GLOW apresenta de forma rítmica tudo que lhe é solicitado. De forma muito sutil, o enredo consegue prender a atenção do público com uma carga emocional visivelmente simples, mas trabalhada de forma surpreendente.

Protagonizada por Alison Brie (Community), a Original tem um texto motivador eapresenta uma história despretensiosa, que basicamente celebra a dedicação e a amizade. Com críticas apoiadas basicamente em estereótipos, a novata também traz uma mensagem importante e muito forte sobre discurso de ódio e diversos preconceitos, unindo muito bem o tema principal às tramas secundárias. Assinado por Jenji Kohan, a criadora de Orange is the New Black, a novidade conta com dez episódios em sua primeira temporada, cada um com uma média de 30 minutos. Inclusive, já estão inteiramente disponíveis no catálogo. Confira o trailer:

 

 

Jôicy Franco
Social Media, 24 invernos.
Basicamente um desenho animado tentando sobreviver no mundo real.

Comments

comments