Homem com estilo

Sem regras, sem combinações ou nomes complicados para decorar. Vocês prometem refletir e não dizer “Eu não ligo para moda” e eu juro que ninguém perderá sua essência. Podemos falar sobre estilo e homens bem vestidos?

Se o homem atualmente está um pouco mais liberal do que foi em um passado recente, historicamente falando não é novidade nenhuma dizer que ele já se enfeitou muito. Os homens sempre se adornaram e, por incrível que pareça, antes e mais que as mulheres. Talvez a inspiração seja a própria natureza, visto que em várias espécies o macho é mais vistoso que as fêmeas.

Saias, perucas, maquiagem, fitas, saltos, cores vivas… Sempre fizeram parte da vida indumentária masculina em diversos períodos do passado. Entretanto, o homem deixou de se enfeitar devido à própria exigência de uma emergente sociedade capitalista em meados o século XIX. Com o advento da Revolução Industrial, o homem não precisa mais se impor com o que veste, passa a ter prestigio pelo o que produz. Com isso, as roupas deixam todos os enfeites para trás e tornam-se discretas, sérias, austeras.  Uma chatice.

Nós vamos pensar um pouquinho em moda masculina e estilo. E se alguém disser que isso é assunto de mulher, tão apegados em seus complexos e repressões, pare um minuto e pense na Mesopotâmia, 3.000 A.C., com homens ostentando seus brincos, em soldados romanos de minissaia, em figuras renascentistas com meias coloridas, em Jesus de túnica. Aversão é a resposta dos inseguros. Você pode usar a moda a seu favor.

Camille Paglia, uma feminista antifeminista, diz que os homens estão sufocados pelas mulheres. Que eles ainda dominam o campo profissional, mas elas já reinam no emocional e psicológico, o que leva a uma neutralização da masculinidade. Existe uma explicação longa para isso, mas resumirei na ideia de que o homem não sabe mais qual é o seu papel na sociedade. Estão frustrados, perdidos e apelando para extremos. Não sabem se choram ou se ficam indiferentes na hora do conflito. Como uma boa libriana, direi que a solução é o equilíbrio. Uma dose de delicadeza acentua a virilidade.

A moda masculina brasileira caminha a passos de formiga e sem vontade. Os rapazes encaram a moda como o extremo da futilidade ou quando se interessam, são soterrados por fotos de “lenhadores” em roupas europeias. Exige certo esforço encontrar coisas bacanas, não desanimem. Na construção de nossa identidade visual e estilo, tudo o que vivemos conta. Suas fantasias de heróis, a roupinha de marinheiro, a fase roqueiro, as camisetas de banda, o tênis de skatista, a coleção de camisas de times de futebol, o broche comunista… O que precisa acontecer é aquele trabalho para se conhecer, alinhar suas preferências, ideias, postura, de forma que toda sua “fala muda”, a forma como se veste, se comporta seja usada a seu favor. O que não fará de você menos homem.

Vocês já ouviram falar de Capital Erótico? É um termo usado pela socióloga inglesa Catherine Hakim para definir um conjunto de habilidades físicas e sociais que fazem parte de cada indivíduo e pode facilitar sua vida. Funciona assim: pense naquela pessoa que tem o poder de atrair as atenções, ela é agradável, nunca está sozinha, a imagem dela é tão magnética que você não vê outra opção a não ser se aproximar. Esse poder de atração é capital erótico puro. E esses seres, quando conscientes dessa capacidade, driblam facilmente os outros capitais, financeiro (o que você tem), humano (o que você sabe) e social (quem você conhece).

Os principais pontos que definem esse capital erótico são: o carisma, sexualidade, sensualidade, beleza, vivacidade e o sobre o qual eu desejo falar, o visual. Sua postura, o seu estilo para se vestir, o seu corte de cabelo, perfume, pulseira, relógio, barba, tudo isso organizado de forma coerente, bem pensado, gera impacto visual e atrai os olhares.

Pode dizer que você não gosta de chamar atenção, entretanto pense em uma situação prática: em um ambiente de trabalho formal, onde todos estão vestidos praticamente do mesmo jeito, aquele que encontra uma maneira de se sobressair, ganha destaque. É unir seu estilo, personalidade, simpatia, competência, inteligência… E até quando estiver quietinho, saberão que você é bom, você será lembrado, facilita às interações sociais, isso são inegáveis vantagens. Não é porque você está usando camisa social que precisa ficar com cara de tio da Sukita.

Toda essa conversa é para mostrar que é importante a forma como você se apresenta para o mundo.  Preocupe-se com sua imagem. Suas roupas e acessórios agem como qualquer outro signo visual, use como meio de comunicação, quanto mais você domina esse mecanismo, maior o sucesso na transmissão da sua mensagem. O que você tem a dizer?

Patrícia Paola Almeida
Trocando certezas por questionamento, em busca de uma vida mais simples, plena e consciente. Costureira apaixonada, louca pelas palavras e libriana em níveis extremos.

Comments

comments

About the Author

Patrícia Paola Almeida
Patrícia Paola Almeida
Trocando certezas por questionamento, em busca de uma vida mais simples, plena e consciente. Costureira apaixonada, louca pelas palavras e libriana em níveis extremos. ​