O que faz um rockeiro ficar ligado nas “músicas do verão”?

Tudo bem que já não sou mais um ~rockeiro~. Se é que já fui algum dia. Mas o gênero que mais me despertou curiosidade em descobrir coisas novas, além de divertimento, amizades, inspiração, coragem de viajar quilômetros pra cacete só pra ver um show e capacidade (quase) incansável de pesquisa, definitivamente, foi o rock.  Já estive imerso em vários estilos, mas nada me despertou mais paixão quanto o punk. A fixação no rock meio que passou junto com a arrogância/ignorância que é meio inerente aos cultuadores do gênero, uma certa síndrome do underground misturada com só-é-bom-o-que-eu-gosto. Coisas da adolescência, mas que, às vezes, não vai embora.

Com essa coisa meio que preconceituosa com outros gêneros longe, descobri muita coisa boa e divertida. E penso que divertimento é o lance principal aqui. É bem mais fácil (e prazeroso) encarar a música como entretenimento do que se cobrar como um curador de obras de artes no Louvre, sacou?

O sujeito que se considera um destes curadores, que só ouve música “boa”, está fadado a só ouvir música em casa com pouca, ou nenhuma, companhia. O que não é um problema se for a intenção e a personalidade, mas, considerando a nossa espécie, é fato que precisamos nos socializar, pra que? Para não endoidar.

E sabe, tem duas coisas muito ruins em reuniões/festinhas, entre outras formas de se socializar sem compromisso, apenas para se divertir:

1 – Ficar isolado sendo a única pessoa a não curtir o que tá rolando (aquele funk sem sentido com uma batida repetida, no caso).

2- Ser o chato que fica colocando músicas que ninguém gosta e tiram logo depois da intro (estou em processo de reeducação pra deixar de ser esse cara em definitivo).

Mas, sério, todas as coisas ruins à parte, se tem uma coisa que é mais ruim que o ruim, é chegar em um lugar e ver que está todo mundo se divertindo com algo que você não faz a mínima ideia do que é. Ainda mais para quem vive na internet.

Então meu/minha truta, o negócio é se adaptar. Você não precisa jogar tuas jaquetas de couro, a munhequeira de espinho e a cartola do Slash fora. Só curte a vibe junto com os amigos. A temporada de tutoriais de dança do verão para o YouTube já começou, assim como o monte de lançamento de música “ruim” divertida (manjou as aspas né? Se liga!)

E como o Kaião aqui é gente boa, vou deixar uns links de uns vídeos maneiros para você já ficar com vontade de fazer AQUELA catuaba com halls melancia e gelo. Desculpa Cadu, mas o drink aqui é BRASA.

 

1 – DEU ONDA – Já começa com os dois pés no peito

Pra iniciar a lixxxtinha de vídeos carnavalescos modernos: o áudio original de Deu Onda. Ninguém merece né, a maior graça da música é o cara falar que o pau dele ama a pessoa, na cara dura mesmo. Aí o site lá já tá me analisando uns tons fora do normal que essa música faz. Naipe PhD em música atonal e sei lá o que mais. Tô de boa.

Aqui uma coreografia pra dar aquela fingida que dança. O tutorial é simples: Levemente embriagado, você tenta lembrar um passo ou outro, com a companhia mais desengonçada que encontrar. Logo vai aparecer um que sabe, aí todos imitam e se divertem.

Nóixx no verão/carnaval vamo tá como? Só os famoso fazendo passinho.

 

2 – Me Libera Nega – O PRÓPRIO MIN ACHER

MELHOR MÚSICA feat. HISTÓRIA do Carnaval pra sempre. 2017 vai ficar na história. Ninguém nunca imaginou o 7×1, nem o Michel Temer presidente, mas isso aqui é ainda mais improvável. Se você já estiver imaginado um cara sendo preso, depois divulgando a música no PORTA MALAS DA POLÍCIA, aí a música faz sucesso enquanto o sujeito tá preso. Mas foi pelas mãos de um cara que gravou sem autorização, enquanto o outro estava fechado. Acabou? Não! O deus Wesley Safadones cantou ao vivo, Luan “Samurai” Santana “tomém”, Caetano Veloso e até Daniel Alves. O lance virou hit. Saiu boato que as gravadoras iriam processar o cara fez versão. O que aconteceu? Gravaram a música junto também. Já tinha imaginado algo assim? ESCREVE UM LIVRO, PÔ!

Se isso não é redenção através da arte, pelo menos uma história confusa demais, é. E, é claro, o Mc Beijinho ainda tem um “problema” vocal que deixa a música mais legal ainda, aprovamos.

É muita informação, né? a Even explicou melhor aqui, confere.

Eu acho que não consigo imitar a menina, mas achei gracinha, então vou postar.

Não que eu ache possível fazer esses movimentos, mas a gente finge.

 

3 – LOKA (estaremos)

Me disseram que essa música vai fazer muito sucesso aí no famigerado Carnaval 2017. Sei não, achei chata. Mas bêbado, já viu né? Se alguém tiver aquele link que explica o feminejo, posta aí nos comentários, será necessário.

Impossível.

 

4 – PITU (credo)

Eu sei que esse negócio não vai pegar, eu só me divirto. Mas, vai que (vai sim).

 

5 – BALANÇA BALANÇA (ritmo)

“Balança, balança, balança” é tão fora de ritmo que entra no ritmo de novo. Já gostei.

AAAAAAAAAAHHHH eu gosto pra caralho de Tropkillaz, me deixa. O Trap vai tomar o eletrônico em 2017, segura a nave.

Diz que tem ali uma outra música da Cláudia Leite, mas sei lá, parece forçação de barra, tipo Nego do Borel com Wesley Safadão. É claro que Malandramente, Bumbum Granada e os memes musicais de 2016 vão pegar ali a ponta direita, fazer uns dois ou três golzinhos antes de aposentar.

Não sei vocês, mas eu já tô no terceiro copo de Askov azul com gelo, só de ansiedade pro feriado mais maravilhoso do ano.

Se beber não dirija. Menor de 18 anos, não beba. Menor e maior de 18 anos, pare de cagar regra e deixa a galera se divertir com as música. Beijos na alma.

Kaio Cezar

Kaio, com K. 28 anos. Estudei Publicidade e Propaganda, Jornalismo e Marketing, talvez devesse ter feito Educação Física. Gosto de mais coisas do que deveria, mas em especial esportes e artes. De link em link a gente vai de Pink Floyd a dinossauros da era mesozóica na interweb.

Comments

comments

About the Author

Kaio Cezar
Kaio Cezar

Kaio, com K. 28 anos. Estudei Publicidade e Propaganda, Jornalismo e Marketing, talvez devesse ter feito Educação Física. Gosto de mais coisas do que deveria, mas em especial esportes e artes. De link em link a gente vai de Pink Floyd a dinossauros da era mesozóica na interweb.