A referência que importa

Você tem aquela pastinha para salvar referências? Textos, músicas, ilustrações, fotos… Coisas que te inspiram? Tem que ter. Esse exercício colabora muito para o seu autoconhecimento, coopera para uma vida mais cheia de confiança e satisfação, ajuda a formar um estilo, auxilia sua criatividade. É bom para a vida, mas vamos falar de moda.

Nós somos constantemente expostas a essas referências. O que nós curtimos, salvamos, sonhamos olhando um pouquinho alguma imagem, tem a ver, de alguma forma, com nós mesmos.

Faça o exercício de olhar para aquele painel de fotos que você já curtiu no Instagram, por exemplo. Notou algum padrão? Tente pensar no que você mais gosta e no porquê de tanto gosto. Não precisa ser foto de look do dia, sapatos, acessórios, pode ser uma foto de uma paisagem. Pense no que aquela imagem te faz sentir, o que ela tem a ver com sua vida, com o seu estado de espírito. Algo muito subjetivo, mas traga isso para suas roupas.

Esquisito? Sonha comigo: sempre que eu vejo imagens de lugares com uma grama bonita, flores, árvores, aquele céu aberto, sempre me imagino naquele lugar usando um vestido fluido, flat… Me da até vontade de usar uma estampa alegre (nem gosto muito de estampa.). E se eu olhar esse tal vestido fluido na loja, provavelmente me imaginarei usando em um lugar verde, com um solzinho. Entendeu? Me provocam a mesma sensação, é o que me deixaria confortável.

Quer uma coisa mais prática? Amo a Audrey Hepburn e uma forma de trazer essa referência para minha forma de vestir é ainda mais fácil. Porque é impossível não ficar elegante usando calça de alfaiataria sequinha, um pulôver preto e sapatilha, esse look é a cara da Audrey.

Usar alguma referência não quer dizer que você vai se vestir igualzinha, idêntica a determinada foto. Isso não funciona. É para se inspirar e adaptar aquilo para você.

Toda a moda olha um pouquinho para trás. Procure conhecer o que já foi usado e use de novo. Não com aquela cara de antes, mas com a cara de agora. Se não vai parecer fantasia. É preciso ter coerência com a época, clima, rotina, estilo. Tem que ter a sua personalidade.

Gostou de alguma roupa que aquela blogueira postou no final de semana e quer usar aquilo? Questione se te deixará confortável, se pode acontecer no seu guarda-roupa, se faz sentido para a sua rotina, se é possível adaptar para ficar com a sua cara. Se as respostas forem positivas, use!

Tome cuidado para não virar vitrine de alguma marca, escrava do estilo da blogueira x, submissa a revista y ou tendência z. A mais importante e melhor referência vem de dentro de você.

Quem é você?

Sem crise existencial. Dê uma olhada nas suas referências, já é um caminho para descobrir a resposta.

 

 

Patrícia Paola Almeida

Trocando certezas por questionamento, em busca de uma vida mais simples, plena e consciente. Costureira apaixonada, louca pelas palavras e libriana em níveis extremos.

Comments

comments

About the Author

Patrícia Paola Almeida
Patrícia Paola Almeida

Trocando certezas por questionamento, em busca de uma vida mais simples, plena e consciente. Costureira apaixonada, louca pelas palavras e libriana em níveis extremos.