Rock in Rio: confira o que rolou no segundo final de semana

 

Embora o segundo final de semana do Rock in Rio tenha começado tumultuado devido aos tiroteios na Rocinha, esta realmente foi a vez do rock. Das mais variadas vozes aos mais variados sucessos, as bandas responsáveis por fazer os últimos 4 dias do evento um sucesso deram conta do recado e nos relembraram que quem é rei jamais perde a majestade. Axl Rose está aí para provar isso mais uma vez, não é?

Então vamos aos resumos de todos os dias deste último final de semana?

DIA 21 / QUINTA-FEIRA

Aquela banda que nós queríamos como campeã do SuperStar em 2015 teve vez no festival. Abrindo o Palco Mundo na quinta-feira e, apesar de não ter conseguido juntar tanto público quanto os outros fortes nomes brasileiros, a Scalene se saiu bem num geral.

Talvez o dia escolhido para a banda se apresentar não tenha sido muito bom. Considerando que os fãs da Scalene são jovens, haviam muitos quarentões aguardando os shows de Def Leppard e Aerosmith. Não podemos dizer que não se esforçaram, não é mesmo?

Foto: Lucas Dumphreys

Para dar vez à nossa nostalgia, o Fall Out Boy também fez um show maravilhoso. Enfrentando problemas técnicos, como metade dos artistas que passaram pelo Palco Mundo, deram a volta por cima. Mas se o público esperava um remember da era emocore, muitos saíram da Cidade do Rock frustrados.

A maior veterana que você respeita. Depois de 32 anos em dívida com o público brasileiro, a banda finalmente subiu aos palcos do Rock in Rio. Mesmo com o cancelamento de sua apresentação no festival em 1985, o público pareceu não ligar muito para isso. A primeira banda representante do rock veterano que nós amamos não se importou com o pequeno desinteresse de uma parcela do público e fez o que sabe: rock.

Foto: Wilton Junior/Estadão

Se eu pudesse escolher um show para estar presente, este seria sem sombra de dúvidas o da banda Aerosmith. Meus amigos, o que fez Steven Tyler naquele palco… Que energia esse homem tem! Com 69 anos ele correu o palco todo inúmeras vezes e não fez questão de descansar a garganta. Que voz! Que show! Aerosmith fechou a noite de sexta-feira deixando todo mundo sem fôlego.

DIA 22 / SEXTA-FEIRA

A gente fala mal, a gente já não aguenta mais. Mas o que fazer se o Jota Quest faz sucesso por onde passa?

O ponto alto da noite foi o show do não tão Jovi mas ainda Bon, Bon Jovi. (Porque eu perco meu respeito como jornalista, mas não perco a piada). Apesar de muitas pessoas terem dito que notaram umas falhas na voz do moçoilo, não dá pra negar que eles estão bem ainda, né? Foi um show pra ir dos pulos às lágrimas, se é que me entende. Quase todos os sucessos da banda estiveram presentes no show.

A noite ainda contou com apresentações das bandas Alter Bridge e Tears For Fears, que foram bastante aplaudidas, inclusive.

DIA 23 / SÁBADO

A noite começou com Titãs, que a gente sempre ama, sempre assiste, e nunca se cansa. Após dar espaço ao show da Incubus, o público pareceu meio apático. Realmente, o brasileiro não sabe o valor que deveria dar à voz de Brandon Boyd.

A também veterana The Who chegou com tudo para fazer a alegria de muita gente. Mas eu duvido que você já não chorou com “Behind Blue Eyes”. Pois se não chorou, fique a vontade. Esse é seu momento!

O gran-finale ficou com Axl Rose. O Guns n’ Roses também sofreu muitas críticas quanto à desenvoltura vocal de Axl Rose, que visivelmente envelheceu, afinal de contas o tempo passa para todos. Com menos potência na voz ou não, Guns continua sendo Guns. E quando foi que nunca valeu a pena assistir um a show dessa banda?

Vamos de clichê:

DIA 24 / DOMINGO

Capital Inicial é aquela banda que aparece depois que alguém grita “Fora Temer” três vezes, tipo aquela brincadeira da mulher de branco que a gente fazia na escola. A gente reclama? Às vezes. Mas sabemos que pelo menos vai ter “Que País É Esse” pra gritar “é a porra do Brasil” em coro.

Eu tenho certeza que quem assistiu ao show da The Offspring esperou a noite toda por essa música. E devo dizer que os caras ainda mandam bem, bem demais.

Provando que os figurinistas do Rock in Rio estavam com sérios problemas, Jared Leto chegou usando a gente não sabe bem o que e fazendo tanta coisa que: ERROR. Parece que o público não ficou muito satisfeito ao ver que o cantor fez de tudo no palco, menos cantar. Mas tudo bem, eu ainda amo essa banda e irei defendê-la. Thirty Seconds To Mars ainda contou com Projota numa breve apresentação. Por que ele? A gente ainda não descobriu.

E o fim, meus amigos… Ah, o fim. Eu já esperava que esse talvez fosse um dos melhores shows do Rock in Rio e parece que não me enganei. Foi um pouco de mais do mesmo, mas Red Hot Chili Peppers é aquela banda que pode repetir o mesmo show por 30 anos, eu vou continuar amando. O Kiedis vai terminar o show sem camisa, o Flea vai ficar pulando e fazendo dancinhas doidas incansavelmente, a gente sabe.

Para início de conversa, eles apenas começaram o show com Can’t Stop. Só por isso já merecia as 4 cadeiras viradas no The Voice. E não preciso falar muito, pois RHCP é RHCP.

E este foi o resuminho singelo que preparamos para você ver pelo menos 1/10 do que rolou no Rock in Rio 2017. Já pode começar a juntar as moedinhas pro próximo, porque promete ser babado, viu? Há boatos de que a produção não desistiu de Lady Gaga. (Deixei a bomba e saí correndo)

Tem algum comentário sobre os shows? Deixa aí pra gente!

Even Vendramini

Jornalista, de Barretos – SP, morando na Bahia. De humanas, especialista em dramas e escritora nas horas vagas. Se deixar eu dou nó até em pingo d’água. Ah, e Molejo é melhor que Beatles!

Comments

comments

About the Author

Even Vendramini
Even Vendramini

Jornalista, de Barretos – SP, morando na Bahia. De humanas, especialista em dramas e escritora nas horas vagas. Se deixar eu dou nó até em pingo d’água. Ah, e Molejo é melhor que Beatles!