Sapatos sempre novos

Existe coisa mais frustrante do que ver que aquele sapato lindo, caro, que você só usa em grandes momentos, começou a descascar pelo tempo que passou guardado? Ou perceber que, apesar de sempre comprar calçados novos, rapidamente todos estão com cara de velhinhos e desgastados? Que a sapateira está com cheiro de morte? HAHAHAHA Você precisa ler isso aqui.

Cuidar das nossas roupas, sapatos, acessórios é o principal para exercer moda consciente. Se você possui um armário bem organizado, com peças úteis, bonitas e bem conservadas, já é uma razão para por um freio no consumismo. Mas roupas, nós aprendemos a lavar na raça, descobrimos na prática que passar perfume em cima da biju detona ela em dois tempos, mas os sapatos… Não é difícil de cuidar, é possível manter tudo organizado e muito bem conservado.

Começa dando aquela faxina na sapateira. Deixa tudo limpinho, coloca aquele sabonete de vó para dar um cheirinho. Brincadeira, mas se quiser, pode. Existem aromatizantes específicos para sapateiras, vende no mercado mesmo. Separe os sapatos que precisam de conserto e aqueles que você não usa mais. Já sabe o que fazer, né? Manda para doação, troca com os amigos, vende, presenteia, mas não guarde aquilo que você não usa e não tem intenção real de usar.

Descubra uma sapataria de confiança. Se você não sabe onde tem uma na sua cidade ou achava que isso não existia mais, relaxa. Pesquisa aí na internet, alguns shoppings tem sapatarias super modernas que oferecem uma infinidade de serviços, ou você pode levar até a loja onde comprou aquele sapato e pedir referência de algum. Geralmente as lojas têm o contato de um profissional que realiza alguns reparos, troca solados, ajusta o cano das botas… É só perguntar que você descobre. Vale dar uma olhada com frequência nos seus calçados e não deixar chegar a um ponto de desgaste com danos irreparáveis.

Hora de limpar seus preciosos.

Pano úmido com um pouquinho de sabão é o suficiente para a sola. Nunca guarde o sapato sujo. Nunca coloque para lavar na máquina.

Para limpar o cabedal, que é aquela parte de cima, depende do material:

Tecido: limpeza a seco para evitar manchas. É só fazer espuma com água e sabão neutro, passar uma escova macia e retirar o excesso com um pano seco. Deixe secar na sombra.

Couro: precisa respirar. É sempre bom tirar da sapateira para tomar um arzinho. Não absorve muita sujeira, então um pano macio e seco resolve. Depois é só engraxar. Para não virar aquela confusão de graxa, compre uma incolor que vai com tudo. Não esqueça que couro resseca, precisa sempre passar um hidratante específico. Isso vale para bolsas, jaquetas…

Sintético: pano macio e seco. Não invente moda na hora de limpar, porque pode ser que o tal “sintético” seja um material bem sem vergonha que irá encher de bolhas e descascar quando for molhado. Melhor evitar.

Plástico: pode lavar sem medo com sabão, água e uma esponja macia para manchas.

Verniz: NÃO PODE MOLHAR. NÃO PODE MOLHAR. NÃO PODE MOLHAR. Entendeu? Em sapatarias e algumas lojas de sapatos vendem produtos específicos para verniz. No dia a dia, um paninho seco resolve e recupera o brilho.

Nobuck, camurça, veludo: limpeza a seco também. Espuma de sabão neutro e água ou produtos específicos para o material. Depois, passe uma escova firme (não é aquela de lavar roupas, porque essa é muito dura, é uma firme) e um pano seco.

Use impermeabilizantes específicos para sapatos, principalmente em camurça, veludo, nobuck e tecidos. Não é que você vai poder andar na chuva e continuar sequinho, mas evita manchas. Vende em sapatarias e lojas de calçados.

Pode parecer meio estranho, mas sapatos com um material muito molinho, é bom guardar usando um alargador de sapatos. Fácil de achar nesses sites que vendem bugigangas. Não são muito caros e ajudam a não deformar o produto. Dê preferência aos de cedro, eles controlam possíveis odores.

Não é muito bacana guardar o sapato dentro da caixa. Primeiro porque atrapalha o calçado a respirar e segundo porque dificulta na hora de visualizar para escolher o que calçar. Se você não vê, você não usa. Para isso, é bom ter caixas plásticas específicas ou aquele saquinho de TNT com visor transparente que geralmente vem com o sapato. Dá para se livrar da caixa na loja mesmo e já levar tudo no saquinho, é só pedir para o vendedor. Só fique atento a política de troca, caso precise, algumas lojas fornecem uma “bula de troca” e ela é suficiente e em outras é preciso ter a caixa.

É sempre bom ter cadarços reservas limpos. Fita de proteção, para não ter que usar aqueles curativos que com o tempo descolam e deixam uma marca muito feia de cola na pele, a fita é discreta e só sai na hora do banho. Palmilhas e protetores se o seus pezinhos precisarem delas. Eu sempre tenho palmilhas confortáveis para longos períodos de salto e para não deixar o pé escorregar na sandália. Observe o que você precisa. E se tem problema com odores, um desodorante, talco ou o que funcione para você.

Uma dica bem de vovó agora: use calçadores para sapatos difíceis de calçar. Porque se não começa aquele puxa-puxa, e forçar para o calçado entrar acaba danificando e marcando o calçado.

Evite usar o mesmo sapato todos os dias. O ideal é deixar respirar por um ou dois dias. Tirou, limpou, deixou tomar um ar e só então guarde.

É fundamental que o material do seu sapato seja de qualidade. Não tem a ver com preço, mas não compre nada que você sabe que não resistirá a sua rotina, que em pouco tempo vai acabar. Sapato também é investimento.

Patrícia Paola Almeida

Trocando certezas por questionamento, em busca de uma vida mais simples, plena e consciente. Costureira apaixonada, louca pelas palavras e libriana em níveis extremos.

Comments

comments

About the Author

Patrícia Paola Almeida
Patrícia Paola Almeida

Trocando certezas por questionamento, em busca de uma vida mais simples, plena e consciente. Costureira apaixonada, louca pelas palavras e libriana em níveis extremos.